Nossa Entidade nasceu da abnegação de um grupo de companheiros da Companhia Luz e Força “Santa Cruz”, que em 30 de novembro de 1958, sentindo a necessidade de se organizarem em defesa de seus direitos, fundaram a Associação Profissional dos Eletricitários, que logo em seguida se transformaria no Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Energia Hidroelétrica de Ipauçu, tendo como seu primeiro o Presidente o saudoso Sr. Hugo Abate.

Já em 24 de fevereiro de 1959 receberia sua carta sindical e em seguida ao seu nascimento a Entidade já estava envolvida em inúmeros desafios, como primeiro deles a falta de estrutura, em seguida a construção da Usina Chavantes, onde o contingente de trabalhadores envolvidos na obra atingiu o pico de 2 mil funcionários.

Neste período nosso Estado experimentava um processo de transição da Agricultura plena, para a industrialização, e os investimentos em infraestrutura se fazia necessário.

Outro fato importante na história da Entidade foi à mudança da sede da Companhia Luz e Força “Santa Cruz” da cidade de Ipauçu para Pirajú, implicando na transferência de um grande número de trabalhadores. E quem já passou por essa experiência sabe quanto transtorno isso provoca. Em Seguida vieram as construções das Usinas Capivara e Taquaruçu de propriedade da CESP – Companhia Energética de São Paulo, ambas localizadas no pontal do Paranapanema nos municípios de Taciba e Sandovalina, respectivamente.

A Cada desafio vimos aumentar nossa determinação e ousadia. Quando conquistamos junto a CESP o benefício do sábado livre nas obras em andamento, nosso Sindicato foi o pioneiro na aplicação, sendo a obra de Capivara escolhida como piloto. Seguiram-se os anos 80, período de grandes dificuldades e também de muita preocupação com a segurança dos trabalhadores envolvidos na reconstrução das Usinas da Companhia Luz e Força “Santa Cruz” destruídas pelas enchentes, e ainda o período em que travamos como o patronato os maiores embates, inclusive foi neste período que participamos da maior paralisação que se tem notícia no meio eletricitário, resultando em grandes conquistas para os trabalhadores. A partir de 1999, com o advento das privatizações intensificamos a luta contra a redução dos postos de trabalho ao lado de pesos pesados do sindicalismo brasileiro.

Hoje somos um Sindicato que atua em 24 localidades do estado de São Paulo e 3 no estado do Paraná, tendo como as maiores Empresas de nossa base territorial, a Companhia Luz e Força “Santa Cruz”, hoje CPFL Santa Cruz, a CTEEP – Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista, controlada pela ISA – Interconéxion S/A., a Duke Energy International – Geração Paranapanema, a CERIPA – Cooperativa de Eletrificação Rural de Itaí – Paranapanema – Avaré Ltda., “Santa Cruz” Geração de Energia S/A., CBA – Companhia Brasileira de Aluminio         RC TECH.

Hoje podemos assegurar sem falsa modéstia que ao longo  deste tempo nosso porte nunca foi um limitador para nossas conquistas, aliás, algumas empresas que negociam somente conosco  possuem carteira de benefícios equivalentes aos negociados por grandes Sindicatos.

Sabemos que a defesa dos interesses dos trabalhadores requer luta continua, sabemos que nossas conquistas  do passado alimentam a cobiça do capital que a cada tempo se torna mais perverso, entretanto, a partir deste pacto de confiança que realizamos com os trabalhadores nos sentimos fortalecidos e determinados a nos contrapor como última trincheira nesta batalha.

A bem da verdade, sabemos que enfrentamos dificuldades que não se limitam no estabelecer o equilíbrio de forças entre o capital e o trabalho.

Na mesma medida lutamos também contra omissões que possuem raízes estruturais plantadas no contra senso do Estado Brasileiro, que ordena que se fiscalize o emprego sem carteira assinada, a falta de recolhimento de encargos trabalhistas, as condições  degradantes de trabalho, mas  o próprio deixa de fazer seu dever de casa  quando não recompõe seu quadro  de servidores e praticamente inviabiliza a ação do Ministério do Trabalho, que muitas vezes tem demorado meses para atender um pedido de fiscalização dos Sindicatos.

Se não bastasse nossa vigilância diária no sentido de impedir demissões arbitrárias, de fazer respeitar os Acordos Coletivos, e as condições de saúde e segurança nas empresas, hoje estamos saindo em socorro  dos Trabalhadores doentes e afastados pelo INSS que mesmo não estando totalmente curados estão sendo liberados  e  devolvidos ao trabalho.

Estamos  atravessando momentos sensíveis, onde o povo até então resignado resolveu buscar as ruas e estradas como forma de demonstrar cansaço   com a falta de ação mais efetiva do governo e da nossa classe política em varias áreas, entendemos que o movimento Sindical deve uma resposta não só de apoio a esses movimentos, mas também na discussão de uma agenda positiva em beneficio dos trabalhadores.

E como reconhecimento pelo trabalho realizado junto à categoria, nossa Entidade conquistou espaço no cenário sindical brasileiro ocupando os seguintes cargos:

Vice-Presidência da FENATEMA – Federação Nacional dos Trabalhadores em Energia, Água e Meio Ambiente.

Vice-Presidência da FORÇA SINDICAL SP

Diretoria da FORÇA SINDICAL NACIONAL

Secretaria Nacional do DEPAURB – Departamento Profissional dos Urbanitários no plano da CNTI – Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria.